Crianças Francesas têm Deficit de Atenção: uma entrevista

~ Stephanie Sarkis

Este post é uma resposta a Por que Crianças Francesas não têm Deficit de Atenção? de Marilyn Wedge, PhD

EQ banner-amity_02

Moliere desceveu o TDAH em sua peça L’Étourdi UO Les Contretemps (The Blunderer) em 1655. No entanto, o conceito de TDAH, ou “Transtorno do Deficit de Atenção com Hierpatividade”, como sendo um transtorno grave ainda não é totalmente aceito na França. No entanto, o TDAH afeta o funcionamento de 3,5% da população da França (Lecendreux, et ai. De 2011). Além disso, o TDAH é igualmente prevalente em outros países, como nos EUA (Faraone et ai. 2003).

Eu entrevistei Elias Sarkis MD,  um psiquiatra credenciado de crianças e adolescentes e Membro Ilustre da Associação Psiquiátrica Americana, para saber mais sobre a prevalência do TDAH na França. Dr. Sarkis viveu na França por 10 anos, e se formou na Faculdade de Medicina na Université de Lille, em Lille, na França. Ele agora é o diretor médico da família Sarkis Psiquiatria da Família e Ensaios Clínicos em Gainesville, Florida. Seu site é www.sarkisfamilypsychiatry.com.

Dr. Sarkis retorna para a França regularmente. Ele disse que o TDAH certamente existe na França. Não só existem estudos clínicos que mostram a prevalência de TDAH na França, como também  tem um amigo psiquiatra, cuja filha tem TDAH. A filha de seu amigo teve dificuldades ao longo da vida na escola, teve uma gravidez não planejada, e então abandonou a escola. Sua mãe está cuidando da criança para que ela possa voltar para a escola.

Dr. Sarkis disse que na França existe uma “forte crença cultural negativa contra a medicação” para crianças com transtornos psiquiátricos. No entanto, disse ele, as crianças com TDAH continuam a sofrer as consequências da doença. Em relação ao impacto dos casos de TDAH sem diagnóstico e não medicados na França, Dr. Sarkis disse: “a realidade é que há crianças francesas na prisão, uma alta taxa de consumo de tabaco, e as crianças abandonando a escola.”

Dr. Sarkis disse que, se uma criança francesa com TDAH recebe “excelente criação, altamente estruturada e expectativas claras dos pais” ela pode mitigar os comportamentos. No entanto, “a criança paga o preço de sentir um aumento da ansiedade e internalização dos problemas”. Para aquelas crianças que não são capazes de receber uma excelente criação, bem estruturada, os comportamentos do TDAH podem ser extremamente prejudiciais.

Na França, é difícil para os pais obter uma avaliação e um tratamento para o seu filho com TDAH. Leva oito meses para uma criança conseguir uma consulta com um especialista, e pode demorar mais oito meses para que a criança receba a medicação prescrita (Getin, 2011).

Felizmente, disse Dr. Sarkis, o conceito de TDAH como uma doença grave e tratável está ganhando força na França. Os pais estão aprendendo mais sobre o TDAH através da Internet, e há mais centros sendo criados para ajudar a tratar esta doença debilitante.

Faraone, S.V., Sergeant, J., Gillberg, C., & Biederman, J. (2003).  The worldwide prevalence of ADHD: Is it an American condition?  World Psychiatry 2(2):104-113.

Getin, C. (2011).  Déficit de l’attention/hyperactivité: Le point de vue des familles.  L’Information Psychiatrique 87(5):375-378.

Lencendreux, M., Konofal, E., & Faraone, S.V. (2011).  Prevalence of attention deficit hyperactivity disorder and associated features among children in France.  Journal of Attention Disorders 15(6):516-524.

 

Artigo Original

Um comentário sobre “Crianças Francesas têm Deficit de Atenção: uma entrevista

  1. Pingback: Por que as Crianças Francesas não têm Deficit de Atenção? – Parte 2