Uma Força para o Bem

DL 20.58.45

Daniel Goleman, ex-jornalista da área científica do New York Times, é autor de muitos livros, incluindo o best-seller mundial “Inteligência Emocional”. Ele tem convivido com  o Dalai Lama por décadas, especialmente por meio dos encontros organizados continuamente pelo Mind and Life Institute.

Em A Force for Good: The Dalai Lama Vision  for Our World, Goleman descreve uma visão singular para transformar o mundo de maneiras práticas e positivas.

P: O que “A Force for Good” traz de único entre os seus muitos livros?

R: O Dalai Lama, que está completando 80 anos, resume sua mensagem para o mundo de forma bastante ampla. Ele tem oferecido essa visão aos poucos durante anos; as várias horas de entrevistas me permitiram extrair essa visão de forma completa pela primeira vez. Este não é um livro budista; baseia-se em décadas de diálogos com cientistas – a maioria deles organizados pelo Mind and Life Institute. Nesses encontros, ele apresentou por diversas vezes essa visão de um mundo melhor.

P: Dan, você descreve este novo livro como mais do que simplesmente um manifesto de como constituir uma força para o bem. Na verdade, você diz que o  livro Uma Força para o Bem está por trás de um movimento. O que você quer dizer com isso?

R: Uma Força para o Bem compartilha um apelo do Dalai Lama à ação – ele nos impele a agir agora, de todas as maneiras que pudermos, para mover o mundo em uma direção positiva. Este manifesto, porém, vai além de nossos esforços individuais:  promove a visão de uma força coletiva para o bem – um movimento –  que supera em muito as forças da negatividade que atuam hoje no mundo. A teoria de transformação do Dalai Lama apoia-se menos em governos e políticas e mais no poder do coletivo em união, em todos nós, cada um contribuindo da sua própria maneira.

P: No site do Uma Força para o Bem, você apresenta oito maneiras diferentes pelas quais os indivíduos podem se desenvolver, compartilhar e fazer o bem. Você pode nos dar alguns exemplos?

A: Esses são os principais pontos
da visão do Dalai Lama e estão apresentados no site
 www.JoinaForce4Good.org .
 Vão desde ações internas como Liberte a Mente e o Coração e Corporifique a Compaixão, até ações no mundo, tais como Oponha-se à Injustiça, Escolha uma Economia Humana e Cure a Terra. Para cada um destes, o site oferece mais informações em profundidade, exemplos inspiradores e maneiras de agir imediatamente com esses propósitos. Assim, por exemplo, para Liberte a Mente e o Coração temos vídeos inspiradores do impacto da meditação sobre presidiários e de Jon Kabat-Zinn explicando a prática de mindfulness. E nós encorajamos as pessoas a nos contar, postando no site, sobre as maneiras que têm encontrado para agir como uma força para o bem.

Q: Quem você imagina que irá se envolver com o site, e como este site pode ser diferente de outras plataformas para ‘fazer o bem’?

R: O site, assim como o livro, de destina a quem valoriza e deseja abraçar esta visão de uma força para o bem. Uma característica única da visão do Dalai Lama é de que cada um de nós precisa começar com um trabalho interno, se tornando mais calmo e lúcido,  seguindo a estrela guia da compaixão e agindo no mundo a partir desse lugar interno mais positivo. E há uma campanha de acompanhamento na mídia social – Facebook, Twitter, etc – especialmente voltada para a geração do milênio (Millennials), a quem o Dalai Lama chama de “as pessoas do século 21″. Ele entende que o destino do mundo está em grande parte nas mãos dessa geração, e dirige boa parte de sua mensagem a eles, oferecendo um roteiro para que pilotem o mundo em direção a uma era mais positiva da história.

Daniel+Goleman+Dalai+Lama+Visits+UK+Jq4g7kHhgEul

P: Você conhece o Dalai Lama há décadas, principalmente por meio dos diálogos em torno da ciência e da prática contemplativa promovidos pelo Mind and Life Institute. O que você tem visto ao longo dos anos, como área de particular interesse e paixão do Dalai Lama?

R: O Dalai Lama tem particular entusiasmo com respeito à nossa capacidade individual para transformar nossa vida emocional e o nosso compasso moral. Esses pontos iniciais em Uma Força do Bem propõem essa mudança em termos de “higiene emocional” – colocar as nossas emoções destrutivas sob um melhor controle – e adotar a compaixão universal como a nossa bússola moral. Com esse ajuste interno, ele nos impele a agir, para nos tornarmos parte desta força para o bem.

Eu vi esse foco coalescer ao longo das décadas em suas reuniões com os cientistas, e em suas mensagens para o público em geral em todo o mundo. Ele extrai os dados das reuniões científicas para usar como “munição”, como diz, para apoiar sua visão em  discursos públicos. Recentemente, por exemplo, eu o vi citando dados sobre como a empatia e a compaixão parecem ser inatas nas pessoas bem jovens, sobre a capacidade especial que as mulheres têm em empatizar com o sofrimento de outras pessoas, e sobre a capacidade que todos temos de cultivar uma maior compaixão. Todos esses dados chegaram a ele nas reuniões do Mind and Life.

P: Ele está completando 80 anos em julho, mais ou menos na época do lançamento deste livro. Isso é significativo, de alguma forma, para o tema do livro?

R: Como o Dalai Lama se aproxima de sua 90a década, sinto que ele tem uma certa urgência em compartilhar sua visão sobre as várias maneiras como o mundo pode ser melhor. Ele tem uma visão extraordinariamente de longo prazo, pensando em termos de séculos. Ele diz, “aja agora, mesmo que você não viva para ver os frutos de seus esforços.” E assim, ele mesmo corporifica essa mensagem.